Social media:   fb  twitter  yt  slideshare
 ico mapa site Mapa do Site            ico rss Assine nosso Feed
01/03/18

Desemprego de longa duração cresce e afeta mais de 5 milhões de brasileiros

Em entrevista à Agência Sindical, Clemente Ganz Lúcio, diretor-técnico do Dieese, afirma que os números mostram um cenário ainda preocupante e de alto desemprego.

A recessão jogou milhões de pessoas no desemprego de longa duração. O tema foi manchete do jornal Valor Econômico, nesta segunda, 26. São trabalhadores que procuram vaga há um ano ou mais. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), no quarto trimestre do ano passado, havia 5,029 milhões nessa condição. Isso significa 130% a mais do que no mesmo período de 2014.

“Os indicadores revelam que a recessão teve impacto sobre o mercado de trabalho muito além do aumento na informalidade. Incomum é o crescimento do tempo de procura e também do desalento, que pode ser traduzido como perda da perspectiva de encontrar colocação. Quanto mais longa a busca por emprego menor a chance de se conseguir trabalho”, observa.{

A demora na recolocação, segundo especialistas, pode gerar desatualização profissional ou colar na pessoa o estigma decorrente do longo período de afastamento.  O IBGE mostra que 2,8 milhões de pessoas procuravam emprego ininterruptamente por dois anos ou mais no Brasil, no quarto trimestre de 2017, contingente 143% superior ao do final de 2014.

Escolaridade - O desemprego de longa duração afeta variadas faixas. Dos 5,029 milhões, há um ano ou mais, 43,6% têm até o ensino médio incompleto; outros 40,2%, o ensino médio completo; e 9,4%, superior completo. Os demais compõem outros níveis de escolaridade, como os sem instrução (2,2%).

“Os dados mostram impacto em todo mercado de trabalho. Inicialmente, antes da crise na construção, até em razão da Lava-Jato, e na indústria, a partir de 2011 e 2012. Mas quando a crise se agrava seus efeitos recaem sobre todos os setores, incluindo comércio e serviços”, comenta Clemente Ganz Lúcio.

Ele completa: “Além da crise interna, a externa também afetou o setor exportador. Então, o mercado interno foi atingido pela própria crise e pelo fato da economia internacional não estar comprando. A produção econômica travou em todas as frentes e setores”.

Segundo Clemente, o mercado espera crescimento de 2,5 a 3% neste ano. O desemprego parou de crescer e já se registra criação de postos de trabalho. “Nessa conjuntura, crescem o trabalho informal, sem Carteira, e o trabalho por conta própria. Num primeiro momento pode haver contratação de pessoas com menos escolaridade, para postos auxiliares e também recém-desempregados”, explica.

Quanto aos desempregados de longa duração, o cenário deve persistir. Clemente diz: “Só quando o mercado de trabalho está há muito tempo contratando as vagas começam a alcançar os desempregados de longa duração”.


Fonte: Agência Sindical





Adicionar comentário

Ações

Uma iniciativa da CNTU em prol do desenvolvimento nacional e do bem-estar da população. São oito temas para ajudar a mudar o Brasil.

Saiba mais

Biblioteca CNTU

Um espaço para você encontrar facilmente informações organizadas em apresentações, artigos, legislações e publicações.

Saiba mais

 SDS Edifício Eldorado, sala 108 - Brasília/DF

Tel (61) 3225-2288

© Copyright 2015 - Confederação Nacional dos Trabalhadores
Liberais Universitários Regulamentados 
Fundada em 27 de dezembro de 2006.