Social media:   fb  twitter  yt  slideshare
 ico mapa site Mapa do Site            ico rss Assine nosso Feed
14/06/17

Contribuição da engenharia à recuperação da economia brasileira

Murilo Pinheiro

O Projeto Cresce Brasil desde seu lançamento, em 2006 pela federação dos engenheiros (FNE), vem se constituindo num grande esforço na apresentação de propostas de desenvolvimento sustentável ao País.

 

A volta da economia a uma trajetória de crescimento passa pelo fortalecimento da presença do Estado como indutor do investimento em infraestrutura. Sem essa retomada pelo governo federal do seu papel de dinamizador das obras de caráter estrutural e estruturante, o país corre o risco de repetir uma expansão episódica, marcada por altos e baixos.

A importância do investimento na melhoria da vida da população brasileira é o tema central da publicação Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento – Cidades, um projeto que vem sendo conduzido pela Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) desde 2006.

Em sua versão mais recente, o Cresce Brasil apresenta um diagnóstico dos principais problemas das cidades e as soluções a serem adotadas para aumentar a qualidade de vida da população. No documento, aponta-se, por exemplo, que serão necessários R$ 273 bilhões até 2033 para reposição e expansão de sistemas de fornecimento de água e de esgoto sanitário.

Em outro tema relevante, o Cresce Brasil aborda os avanços disponíveis para aprimoramento da iluminação pública por meio da tecnologia LED. O uso em larga escala desses sistemas pode gerar redução de até 50% na despesa com energia elétrica das prefeituras brasileiras.

No segmento da moradia, o documento lembra que há uma carência de mais de 5,8 milhões de domicílios no país, um número que considera tanto as famílias que não possuem moradias como aquelas que moram em edificações inadequadas. O conteúdo desse documento pode ser acessado no endereço virtual www.crescebrasil.org.br.

Ao apontar a necessidade de investimento em segmentos distintos, o Cresce Brasil lista alternativas de gestão das contas públicas de forma a se criar as condições para os gastos de capital. Nesse sentido, o documento recomenda gestão financeira voltada para a ampliação da base de arrecadação.

No atual cenário, em que é notória a necessidade de expansão do investimento, os engenheiros chamam a atenção para o risco da paralisação de milhares de obras públicas espalhadas pelo país. Os cerca de 5 mil canteiros abandonados Brasil afora são o retrato de um duplo prejuízo: primeiro, pela perda de verbas públicas; segundo, pela falta que tais obras concluídas representam para a população.

Com o país arcando com os custos de uma pesada recessão, a retomada das obras públicas ajudaria a formar novas frentes de trabalho, gerando emprego, renda. A medida também contribuiria para dinamizar a microeconomia em diversas localidades, transmitindo uma mensagem positiva de recuperação da infraestrutura nas mais diferentes áreas.

Ao defender o resgate dessas obras, a Federação Nacional dos Engenheiros reafirma a postura e o trabalho do Movimento Engenharia Unida em prol do desenvolvimento e do aumento da qualidade de vida dos brasileiros. Esse alerta e o apelo para que esses empreendimentos sejam reiniciados são contribuições que a engenharia e os engenheiros têm a dar nesse momento de recuperação da economia.


Murilo Pinheiro, presidente do SEESP, da Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) e da Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais (CNTU). Artigo publicado, originalmente, no site Congresso em Foco, em 13/06/2017

 

 

 

 

Leia também



+ Artigos

Adicionar comentário

Ações

Uma iniciativa da CNTU em prol do desenvolvimento nacional e do bem-estar da população. São oito temas para ajudar a mudar o Brasil.

Saiba mais

Biblioteca CNTU

Um espaço para você encontrar facilmente informações organizadas em apresentações, artigos, legislações e publicações.

Saiba mais

AGENDA

Sem eventos
 SDS Edifício Eldorado, sala 108 - Brasília/DF

Tel (61) 3225-2288

© Copyright 2015 - Confederação Nacional dos Trabalhadores
Liberais Universitários Regulamentados 
Fundada em 27 de dezembro de 2006.