ico mapa site Mapa do Site            ico rss Assine nosso Feed              yt ico
feed-image RSS
16/04/10

Fitoterápicos podem ser alternativativa para o semiárido

Em apresentação à SBPC em Mossoró,pesquisador disse que 88% das matérias-primas utilizadas pelas indústrias farmacêuticas são importadas da Índia e da China. Mas esses países j&aacu

Iniciativa interministerial instituída por decreto em 2006, a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos ainda não gerou frutos, devido principalmente à falta de uma instância superior que coordene as ações individuais promovidas em diferentes instituições do país.

O diagnóstico foi apresentado pelo médico Odorico Moraes, professor do Departamento de Fisiologia e Farmacologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC), nesta quarta-feira (14/4), na Reunião Regional da SBPC em Mossoró (RN). Com mais de 30 anos de experiência na área de fitoterápicos, o pesquisador entende que o segmento, apesar de promissor, ainda não recebe a atenção que merece em termos de políticas públicas.

"O impacto da política de plantas medicinais e fitoterápicos, até agora, é zero. Falta uma coordenação acima dos ministérios que tenha o poder de dizer o que cada um deles deve fazer", avaliou o pesquisador.

A política nacional tem como objetivo principal garantir à população o acesso seguro e o uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos, promovendo o uso sustentável da biodiversidade, o desenvolvimento da cadeia produtiva e da indústria nacional.

Suas ações são determinadas por um programa elaborado por representantes de nove ministérios (Casa Civil; Integração Nacional; Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; Desenvolvimento Agrário; Ciência e Tecnologia; Meio Ambiente; Agricultura, Pecuária e Abastecimento; Desenvolvimento Social e Combate à Fome; Cultura), além da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

A falta de uma coordenação supraministerial, alerta Moraes, também desestimula a colaboração efetiva entre as instituições que estudam o tema. "Cada pesquisador faz seu trabalho isoladamente. Não sei se alguém do Rio está estudando a mesma planta que eu, no Ceará. E isso faz com que a gente duplique esforços e investimentos", lamenta.

O pesquisador conta que, por encomenda do Ministério da C&T, com investimento de R$ 2 milhões, a UFC iniciou estudo com cinco plantas medicinais, com grande potencial de aplicação industrial. "Vamos fazer nosso trabalho, estudar sua eficácia e segurança. Entretanto, não tenho nenhuma garantia de que outras pessoas não estão fazendo o mesmo", observa.

Segurança nacional

Em sua apresentação na Reunião Regional de Mossoró, Odorico Moraes mostrou que 88% das matérias-primas utilizadas pelas indústrias farmacêuticas são importadas da Índia e da China. No entanto, alerta o pesquisador, esses países já não querem mais vender insumos, e sim o medicamento manufaturado.

"Além de comprar medicamentos de qualidade duvidosa, vamos ficar dependentes dessas nações. Trata-se de uma questão de segurança nacional. Um país que tem capacitação nas universidades e uma biodiversidade imensa como a nossa está perdendo tempo", avalia.

A produção de fitoterápicos pode ser ainda uma alternativa viável para o incremento da inovação das indústrias farmacêuticas nacionais. Segundo Moraes, o custo médio para desenvolver um medicamento sintético varia entre US$ 400 milhões e US$ 800 milhões. Para a produção de um fitoterápico, o custo no Brasil fica entre R$ 15 milhões e R$ 30 milhões.

Semiárido

O clima peculiar do semiárido brasileiro fez com que muitas espécies da flora regional desenvolvessem adaptações que ainda são pouco conhecidas dos pesquisadores, garante Moraes.

Para o pesquisador da UFC, além de melhor aproveitar a rica variedade existente nas chamadas "farmácias vivas" do Nordeste, a produção de fitoterápicos pode servir para introduzir o produtor rural na cadeia do desenvolvimento e apresentar uma alternativa econômica a estas comunidades - num mercado promissor e que movimenta internamente perto de R$ 600 milhões por ano.

"Precisamos aproveitar a base acadêmica e a infraestrutura já existente na região e investir com força na produção de fitoterápicos como alternativa para o desenvolvimento do semiárido. Para isso, o governo deve incentivar as iniciativas já existentes e determinar estratégias para pesquisas futuras", conclui o pesquisador.

Fonte: Daniela Oliveira, Jornal da Ciência



+ Notícias

Adicionar comentário

Ações

Uma iniciativa da CNTU em prol do desenvolvimento nacional e do bem-estar da população. São oito temas para ajudar a mudar o Brasil.

Saiba mais

Biblioteca CNTU

Um espaço para você encontrar facilmente informações organizadas em apresentações, artigos, legislações e publicações.

Saiba mais

AGENDA

 SDS Edifício Eldorado, sala 108 - Brasília/DF

Tel (61) 3225-2288

© Copyright 2015 - Confederação Nacional dos Trabalhadores
Liberais Universitários Regulamentados 
Fundada em 27 de dezembro de 2006.